Dr João Paulo Junqueira

Home / Tratamentos / Controle de Queratoses

Controle de Queratoses

As queratoses acometem muito mais frequentemente os pacientes da terceira idade. Isso porque dois dos mecanismos envolvidos no surgimento dessas lesões de pele são a exposição solar numa dose acumulada ao longo da vida e uma pele com menor capacidade de inibir surgimento de neoplasias, sejam benignas ou malignas, o que acaba ocorrendo em pacientes idosos.

Existem 2 tipos principais e mais frequentes de queratoses:

1 – seborreica: é o tipo em geral de coloração castanha simulando uma pinta, mas que apresenta-se como lesão que pode soltar pequenos fragmentos e que acaba por voltar a crescer. Pode acometer tanto áreas de exposição solar, como áreas mais cobertas. Essas lesões são benignas e não tem risco de malignização. Por isso a opção pelo tratamento é do paciente.

2 – actínica: é o tipo causada pelo sol, ocorrendo quase que exclusivamente em regiões expostas à luz, a maior parte das lesões não apresenta pigmentação, embora possam ter a base avermelhada (eritematosa) e casquinhas (crostas hiperqueratósicas) esbranquiçadas e endurecidas. Essas lesões são benignas, mas tem uma pequena chance de se transformarem em lesões malignas de câncer de pele do tipo carcinoma espinocelular, portanto um acompanhamento e tratamento com Dermatologista deve ser feito rotineiramente nos pacientes com essas lesões.

Principais dúvidas sobre Queratoses

As queratoses seborreicas e actínicas são lesões cujo tratamento deve ser destruir as lesões. A forma com que optamos por fazer isso varia conforme o número de lesões, localização, tipo, opção do paciente e outros fatores. Por isso as seguintes opções estão disponíveis:



-medicações tópicas como diclofenaco, imiquimod e ingenol mebutato (para queratoses actínicas)

-criocauterização ou crioterapia (feita com nitrogênio líquido)

-curetagem

-eletrocauterização ou eletrocoagulação

-cauterização química com ácido tricloracético (ATA) ou 5-fluoracil (5-FU)

-laser

-terapia fotodinâmica (PDT para queratoses actínicas)



O melhor tratamento será aquele que o médico e o paciente avaliarem como mais adequado e com melhor resposta para o caso específico do paciente.

As queratoses seborreica em geral tem poucos ou nenhum risco. O que pode ocorrer está mais relacionado a pequenos traumas na lesão por ela ser sobrelevada e sujeita a pequenos ferimentos com dor, sangramento ou infecção.



Já as queratoses actínicas tem risco real de malignização que, embora baixo, quando o paciente apresenta muitas lesões, se torna significativo, sendo de essencial importância o tratamento para evitar o desenvolvimento de cânceres de pele.

As queratoses são desencadeadas pela conjunção de idade e exposição solar alta ao longo da vida, portanto a melhor prevenção é evitar a exposição solar excessiva e usar filtros solares.

A prevenção das queratoses actínicas é a que temos mais recursos.

Para pacientes que já se expuserem ao longa da vida a prevenção passa a ser dupla:

1 – parar de se expor e realizar uso de filtro solar e hoje há filtros solares com adição de tecnologias que diminuem a formação de novas queratoses em pacientes que já apresentam essas lesões.

2 – em pacientes já com queratoses é possível fazer tratamentos com algumas suplementações orais que diminuem o surgimento de novas lesões, assim como tratamentos locais com terapia fotodinâmicas (PDT) e tratamentos tópicos que reduzem a formação de novas queratoses actínicas

  • Prevenção do câncer de pele (link: sabia mais câncer de pele)

  • Hidratação Profunda

É comum que na terceira idade os idosos apresentem queixa de pele seca. Isso se deve ao envelhecimento da pele que resulta em atrofia dela e dos anexos cutâneos como as glândulas sebáceas. Com a menor produção de sebo a pele fica realmente ressecada

Além disso a queda hormonal que é mais intensa nas mulheres, mas também presente nos homens, afeta a pele diretamente, deixando-a mais atrófica, fina, frágil e ressecada.

Para evitar esse processo algumas medidas podem ser tomadas:

– Com suporte de ginecologista ou endocrinologista avaliar a possibilidade de reposição hormonal se houver indicação;

– Hidratação diária da pele;

– Hidratação profunda com esteticistas;

– Uso de substâncias injetáveis como skinboosters e bioestimuladores para rejuvenescer a pele e melhorar seu viço e textura.